quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

DIÁVOLA



Diávola
milene sarquissiano


uma mulher vestida
mostra o melhor dela
enquanto não se revela
é uma viagem só de ida
avenida de mão única
congestionando olhares
é um cachaçal de loucura
tonteando veias
destilando alucinada
todo etílico veneno
que nela existe
uma mulher vestida
bole com o imaginário
do capeta e do vigário
leva uns pro paraíso
e outros pro purgatório

6 comentários:

  1. Você disse tudo, Milene. É isso mesmo. Beijos

    ResponderExcluir
  2. Quem lê Diávola dessa Milene diabolicamente poeta, viaja entre o céu e o inferno da poesia. Entre o pecado e o perdão. Entre o real e o imaginário. Entre a mulher e a mulher.
    Coisa pra se deixar queimar no fogo do inferno, e gozar.
    Parabéns poeta infinita.

    ResponderExcluir
  3. Onde estão aquelas poesias maravilhosas? Onde estão aquelas palavras que mexem com a libido da gente? Onde Milene???
    Sinto falta deles.

    ResponderExcluir